Falta de medicamentos sedativos no Hospital Metropolitano
Geral

Falta de medicamentos sedativos no Hospital Metropolitano

CRM PB cobra ação para evitar consequências

Rosa Aguiar Rosa Aguiar
08/06/2020 11:25:58

A Sociedade Brasileira de Anestesiologia (SBA) solicitou ao Conselho Regional de Medicina da Paraíba (CRM-PB) que continue empenhado e atento a falta de medicamentos sedativos e bloqueadores neuromusculares nos hospitais da Paraíba. O CRM-PB denunciou a falta desses remédios no Hospital Metropolitano José Maria Pires, em Santa Rita, uma das unidades de referência para pacientes com a Covid-19, no Estado, após ter fiscalizado o hospital nos dias 1 e 3 de junho.

Em ofício enviado ao CRM-PB, a SBA afirma que vem recebendo informações sobre a falta desses medicamentos em diversos hospitais do país e que, tendo em vista a seriedade do trabalho realizado pelo CRM-PB, solicita que a instituição continue atenta a este problema grave, “para evitar consequências danosas à classe médica e, principalmente, à população”. O documento da SBA ainda reitera que os medicamentos para sedação são fundamentais para que seja possível manter, adequadamente, os níveis de consciência, ventilação pulmonar e condições de intubação traqueal dos pacientes.

O ofício da SBA ainda ressalta que “a falta dessas substâncias causará um impacto negativo considerável nas estratégias adotadas pelos governos estaduais e federal no enfrentamento da Covid-19 e, principalmente, na qualidade dos serviços médicos prestados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e pela rede particular”.

“Sabemos das dificuldades que vários hospitais do país estão passando, por conta da falta desses medicamentos e de outros equipamentos essenciais para manter os pacientes nas Unidades de Terapia Intensiva. A diretoria do hospital já nos informou que essas drogas estão em falta e que algumas empresas estão cobrando valores muito acima do mercado. No entanto, são medicamentos imprescindíveis para os pacientes intubados e é preciso que os gestores encontrem alternativas de aquisição desses sedativos o mais rápido possível”, destacou o presidente do CRM-PB, Roberto Magliano de Morais.

O relatório sobre a fiscalização do CRM-PB ao Hospital Metropolitano, com a constatação da falta dos medicamentos já foi enviado ao Ministério Público Federal, Ministério Público Estadual, à Secretaria Estadual de Saúde e à diretoria técnica do hospital. “A diretoria do hospital já nos informou que, por enquanto, está sendo utilizado um protocolo de drogas alternativas para intubação e manutenção dos pacientes sedados”, completou o presidente do CRM-PB.

Desde a segunda quinzena do mês de maio, o Hospital Metropolitano está atendendo exclusivamente pacientes com a Covid-19. Conforme o Plano de Contingência da Secretaria Estadual de Saúde, o hospital tem capacidade para 60 leitos de UTI e 31 de enfermaria. No entanto, conforme foi constatado na fiscalização do CRM-PB, estão funcionando, por enquanto, 52 leitos de UTI e os 31 de enfermaria.

FONTE: Formato Assessoria de Imprensa

Rosa Aguiar
Rosa Aguiar
Jornalista
Casa de José Américo participa da 4ª Semana Nacional de Arquivos
Marcas lançam presentes para Dia dos Namorados, tudo delivery

Comentários

Quem Somos

Acreditamos que o turismo, atividade de grande impacto econômico e que fomenta uma cadeia de serviços e produtos capaz de mudar a realidade de uma cidade ou país, precisa ser planejado com ações eficazes que preservem as caraterísticas locais, para que traga a verdadeira melhoria na qualidade de vida das populações.