Fundação Casa de José Américo realiza ciclo virtual de debates sobre cultura paraibana
Cultura

Fundação Casa de José Américo realiza ciclo virtual de debates sobre cultura paraibana

Os temas variam entre Paraíba nos anos 30, Sivuca, presença indígena, entre outros.

Rosa Aguiar Rosa Aguiar
21/05/2020 17:53:58

A Fundação Casa de José Américo (FCJA) lança, na próxima terça-feira, 26, o ciclo de debates História Cultural da Paraíba – Diálogos Presentes, a ser apresentado por meio do canal oficial da instituição na plataforma Youtube. Serão 16 painéis, às terças e quintas-feiras, a partir das 9h30.  
O primeiro painel se intitula “Sivuca e o Ano Cultural 2020”, e acontece no dia em que o mestre completaria 90 anos de idade (26/05). A obra do multi-instrumentista, maestro e compositor itabaianense que está sendo homenageado pelo Governo da Paraíba neste ano, será discutida pelo regente Carlos Anísio e o músico Adeildo Vieira, com mediação do professor Carmélio Reynaldo. Na quinta-feira, 28, o painel “História da Paraíba: lugares de memória e de cultura”, com as professoras Lúcia Guerra e Irene Rodrigues, também mediado por Carmélio Reynaldo.
 
A segunda semana começa no dia 2 de junho, com um debate entre Ângelo Pessoa e Damião de Lima: “Dimensões materiais e culturais do processo histórico paraibano”. Na quinta (4), o tema será “Estrutura política paraibana na Era Vargas”, com Monique Cittadino e Jivago Correia. No dia 9, “A presença indígena na Paraíba: território, cultura e memória”, com Rita de Cássia Santos e Estevão Palitot. No painel seguinte, dia 11, teremos “A Paraíba e a cultura do Atlântico negro”, a ser debatido por Elio Flores e Danilo Santos. 
 
A Paraíba e suas artes – No dia 16, o tema será “A imprensa na Paraíba e o jornalismo cultural”, com a participação dos jornalistas Rubens Nóbrega e André Cananéa. Na quinta, 18, os músicos Milton Dornellas e Xisto Medeiros debatem “Música popular na Paraíba: a academia e o projeto Quinteto Convida”. O dia 23 de junho será dedicado ao teatro: “O Teatro visto a partir da UFPB e a experiência do Coletivo de Teatro Alfenim”, com Paulo Vieira e Paula Coelho. No dia 25, será a vez do cinema: “O Cinema Paraibano antes e pós-pandemia”, com Zezita Matos e João de Lima. Todos terão a mediação de Carmélio Reynaldo.
 
O dia 30 de junho dará início à sexta semana do ciclo de debates, com os painéis “Saberes e fazeres populares: o artesanato paraibano”, por Marielza Targino e Ângelo Rafael; e, no dia 2 de julho, “Saberes e fazeres populares: literatura de cordel e tradição oral”, com Karin Picado e Nelson Barbosa de Araújo – ambos mediados por Lúcia Guerra. No dia 7, “Arte em tempos de pandemia e pesquisa em/sobre artes visuais na Paraíba”, com Chico Pereira, Flávio Tavares e Robson Xavier da Costa, com mediação de Carmélio Reynaldo.
 
“Literatura: escritores, movimentos e redes de sociabilidade” será o tema do painel do dia 9 de julho, com Linaldo Guedes e Bruno Gaudêncio. No dia 14, “Experiências com educação patrimonial no Estado da Paraíba”, com Janete Rodriguez e Márcia Albuquerque. Por fim, no dia 16, “Preservação do Patrimônio Cultural no Estado da Paraíba – nossa caminhada”, com Ana Paula Brito e Átila Tolentino. Esses painéis terão mediação de Lúcia Guerra.
 
Inscrições – O ciclo de debates História Cultural da Paraíba – Diálogos Presentes já está com as inscrições abertas. Terá carga horária total de 20 horas, com emissão de certificado para quem tiver, pelo menos, 75% de participação. As inscrições podem ser feitas pelo endereço https://url.gratis/2h7OE. Os painéis acontecerão via Youtube, no canal da Fundação Casa de José Américo (FCJA Oficial).

FONTE: Assessoria de Imprensa

Rosa Aguiar
Rosa Aguiar
Jornalista
Paraíba terá um dos maiores parques aquáticos da América Latina
Com o tema A Retomada do Sucesso confira a programação do Fórum Online de Hotéis

Comentários

Quem Somos

Acreditamos que o turismo, atividade de grande impacto econômico e que fomenta uma cadeia de serviços e produtos capaz de mudar a realidade de uma cidade ou país, precisa ser planejado com ações eficazes que preservem as caraterísticas locais, para que traga a verdadeira melhoria na qualidade de vida das populações.