Dia do Trabalho: Não temos o que comemorar
Geral

Dia do Trabalho: Não temos o que comemorar

Exclusão de direitos e humilhação é o retrato do país

Rosa Aguiar Rosa Aguiar
01/05/2020 11:47:13

Um dia 1º de Maio totalmente atípico, no meio a uma pandemia. Este ano, motivos não faltam para protestos dos trabalhadores nas ruas do Brasil, mas como a pandemia resultou em proibição de aglomerações, os protestos dos sindicatos estão vindo através das redes sociais. 
O país passa por um retrocesso e os trabalhadores estão perdendo direitos conquistados com muita luta. Nossas palmas hoje para os trabalhadores que não podem parar, nem diante de uma catástrofe como um vírus mundial: os heróis da área de saúde, do setor de limpeza, de alimentação. Arriscando suas vidas, eles seguem firmes, muitas vezes sem ter sequer as condições dignas de exercer o trabalho.
Homenageamos também os trabalhadores informais, que, abandonados pelo poder público, buscam a sobrevivência nas ruas de maneira honesta, e que são obrigados à humilhação, à espera de um auxílio emergencial que parece que não tem emergência nenhuma para quem tem o que comer, impondo entraves tecnológicos para quem é excluído.
“Infelizmente não temos o que comemorar. Vivenciamos um ataque sistemático ao conjunto dos direitos dos trabalhadores, mesmo antes da presente crise epidemiológica. O mais grave é que estamos perdendo a utopia e nos acostumando com a barbárie” publicou o presidente do Tribunal do Trabalho da Paraíba, desembargador Wolney Cordeiro. “Há uma verdadeira corrosão das proteções sociais. Particularmente, almejo que após termos suplantado a crise atual, despertemos para a grandiosidade dos valores sociais do trabalho e da necessidade de fortalecermos  os laços de cooperação entre o capital e o trabalho. Só assim viveremos dias melhores”
 

FONTE: Rosa Aguiar- TRT foto Correio24 horas

Rosa Aguiar
Rosa Aguiar
Jornalista
Clóvis Jr está produzindo painel gigante
Prefeitura de João Pessoa fecha praias e parques

Comentários

Quem Somos

Acreditamos que o turismo, atividade de grande impacto econômico e que fomenta uma cadeia de serviços e produtos capaz de mudar a realidade de uma cidade ou país, precisa ser planejado com ações eficazes que preservem as caraterísticas locais, para que traga a verdadeira melhoria na qualidade de vida das populações.