Em João Pessoa: Penitenciária Feminina produz máscaras de proteção
Coluna de Rosa Aguiar

Em João Pessoa: Penitenciária Feminina produz máscaras de proteção

Estão sendo produzidas cerca de cem, por dia

Rosa Aguiar Rosa Aguiar
25/03/2020 11:54:55

O projeto Castelo de Bonecas, desenvolvido por um grupo de detentas da Penitenciária Feminina “Maria Júlia Maranhão”, em João Pessoa, foi temporariamente desativado e deu lugar à produção de um dos equipamentos de proteção individual (EPI) mais procurados no momento: as máscaras cirúrgicas. O objetivo é suprir a demanda dos policiais penais e equipes de saúde em todo o Sistema Penitenciário – 79 unidades prisionais, incluindo Penitenciárias e Cadeias Públicas, bem como profissionais da Secretaria de Estado da Saúde.
 
A ação está incluída nas medidas de proteção e prevenção ao contágio pelo novo coronavírus (Covid-19) adotadas pela Secretaria de Estado da Administração Penitenciária (Seap), atendendo as determinações do Governo do Estado e das autoridades sanitárias.  “Devido a essa crise do coronavírus e, consequentemente, a aquisição de EPI, sobretudo máscaras cirúrgicas, fizemos uma aquisição de TNT  polipropileno, material utilizado para confecção de máscaras cirúrgicas, e desativamos temporariamente a oficina Castelo de Bonecas e por tempo indeterminado vamos produzir as citadas máscaras. Realizamos uma higienização no ambiente e todas as máscaras serão esterilizadas nos aparelhos de autoclave dos consultórios odontológicos das unidades que no momento estão com as atividades suspensas, ou seja, iremos deslocar esses aparelhos para a unidade feminina”, explicou o secretário de Administração Penitenciária, Sérgio Fonseca.
 
O secretário ressaltou que o Sistema Penitenciário da Paraíba é um dos pioneiros na iniciativa de confeccionar as máscaras e propés (sapatilha descartável). “Diversos Estados do país estão buscando mais detalhes para iniciar suas produções locais para a fabricação das máscaras”, observou, adiantando que foi estabelecido um cronograma de embalagem e distribuição das máscaras para que o equipamento de proteção individual (EPI) chegue a todas as unidades prisionais. Em breve, a produção será estendida para as penitenciárias femininas de Campina Grande, Patos e Cajazeiras.
 
A confecção das máscaras em polipropileno segue os padrões estabelecidos pela Resolução de Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Nacional (Anvisa) – RDC nº 356/2020, publicada no Diário Oficial da União.
 
O gerente executivo da Ressocialização e idealizador do projeto, João Sitônio Rosas Neto, destacou que as reeducandas que estão confeccionando as máscaras receberam treinamento prévio e toda produção segue um rígido controle de qualidade. Elas usam touca, máscara e propé, além de obedecer a uma série de procedimentos relacionados à higienização das mãos durante o processo de fabricação das máscaras. 
 
“Nós oportunizamos uma capacitação para que elas pudessem iniciar o processo produtivo de confecção das máscaras de proteção e propés, bem como implantamos diversos POPs – Procedimentos Operacionais Padronizados, visando trazer mais segurança ao processo de confecção, através da realização do correto processo de limpeza e higienização do local de trabalho, insumos produtivos, maquinário e utensílios. As máscaras são confeccionadas em polipropileno (TNT), possuem três camadas para a proteção adequada a quem fizer uso delas, tudo em consonância com as normas estabelecidas pela RDC 356, da Anvisa”, pontuou João Rosas, adiantando que  pelo trabalho as reeducandas farão jus à remição de parte de suas penas em consonância com a Lei 7.210/84 (Lei de Execução Penal).
 
Cinthya Almeida, diretora da Penitenciária Feminina “Maria Júlia Maranhão”, unidade de referência feminina em ressocialização no Estado da Paraíba e pioneira na produção das máscaras, informou que a produção ocorrerá de segunda a sábado e já no primeiro dia centenas de máscaras foram produzidas. “As reeducandas que estão confeccionando as máscaras já trabalham no Projeto Castelo de Bonecas e com os conhecimentos adquiridos, somados à capacitação que receberam, poderão contribuir sobremaneira para o atendimento das demandas da Seap e de outros segmentos. O empenho delas e de todos nós é fundamental nesse momento atípico que estamos vivendo. A Paraíba e o nosso país vencerão esse vírus e temos muito orgulho em poder contribuir para a prevenção dos policiais penais, profissionais de saúde em nosso estado, reeducandos e reeducandas e toda a sociedade”, ressaltou.

FONTE: Assessoria de Imprensa

Rosa Aguiar
Rosa Aguiar
Jornalista
Álcool gel é obrigatório em supermercados e bancos
Prefeitura recebe vacinas contra gripe

Comentários

Quem Somos

Acreditamos que o turismo, atividade de grande impacto econômico e que fomenta uma cadeia de serviços e produtos capaz de mudar a realidade de uma cidade ou país, precisa ser planejado com ações eficazes que preservem as caraterísticas locais, para que traga a verdadeira melhoria na qualidade de vida das populações.